Goemon

Ishikawa Goemon [石川五右衛門], reza a lenda, era um ninja meio à la Robin Hood: roubava ouro e pertences dos ricos e distribuía a riqueza entre os pobres. Matou um montão de pessoas. Sim, era bandido.

Só que havia esse outro cara, Toyotomi Hideyoshi [石川五右衛門].

Hideyoshi foi um daimyo [senhor feudal] que viveu no Período Sengoku [1467-1573] que sucedeu seu antecessor, Oda Nobunaga, e é reconhecido como um dos nomes mais importantes da unificação do Japão [que antes era formado por vários Estados que viviam guerreando entre si yadda yadda yadda, o de sempre]. O período em que governou ficou conhecido como Período Momoyama [1568-1600].

Foi sob ordens dele que se iniciou a construção do famoso Castelo de Osaka [Osaka-jo – aliás, eu fui lá uns anos atrás! LINDO! Quero dizer, lindo por fora. Virou museu e é uma pena que tenha ficado MESMO com cara de museu por dentro, perdendo TODA E QUALQUER relação visual com a época; o lugar tem projeções holográficas, lojinhas… Adorei por fora, achei muito bom historicamente por dentro mas passou longe de me impressionar; eu acho que esperava me sentir mais na época, mesmo sabendo que museu tem toda aquela coisa de ambientação para as peças originais expostas não virarem poeira e coisital… =P]


Osaka-jo; ok, eu sei que a cor tá estranha, mas tirei essa foto num dia nublado em 2006 e eu tava LONGE de ter qualquer noção de fotografia [ainda tô, mas acho que evoluí um pouquinho]… e minha antiga câmera não deu conta de pegar o castelo inteirão… *sigh* Pena que não podia tirar foto na parte de dentro do castelo… =/

Entãããão. Dizem que o Hideyoshi assassinou [ou mandou assassinar] a esposa do Goemon, e ainda sequestrou o filhinho dele, Gobei. Daí, Goemon, muito irado, foi lá tentar assassinar o Hideyoshi, mas, acidentalmente, fez barulho ao bater em um sino mas que ninjazinho incompetente de merda!. Isso chamou a atenção da guarda do Hideyoshi. Preso, Goemon foi condenado a morrer COZIDO num caldeirão de ferro, junto com seu filho [Goemon ficou segurando o menino acima do nível da água, até morrer]. Hideyoshi era CRUEEELLL!!!

Enfiiim. Eu sei que o Hideyoshi existiu de verdade. Nunca havia ouvido falar do Goemon. Eu *acho* que esse cara foi só uma figura do folclore -nem procurando info para esse post achei muita coisa sobre a vida ele [só sobre a lenda]-, mas vou dar uma pesquisada melhor mais adiante…


Goemon e Gobei durante a execução

E tuuuudo isso é para escrever que estou com o filme Goemon aqui.

Era para ter assistido ontem, mas, né, é inverno. Ursos HIBERNAM no inverno. Eu sou um urso. Ontem foi minha folga e passei 2 horas e meia fora [compras na farmácia + restaurante MOINTO bom de udon] e o resto do dia… dormi. Fui dormir lá pelas 14h… acordei às 7h30 da manhã! E assim que finalizar o post vou lá dormir de novo porque tenho que ir trabalhar mais tarde vidinha de merda essa de ser pobre; preciso enriquecer logo ¬¬’

O trailer parece um jogo de video game, mas fiquei curiosa para ver. E olha que eu, particularmente, NÃO gosto de:
-visual de video game [quero dizer; não é que eu não gosto; eu DE-TES-TO];
-efeitos visuais o tempo inteeeeeiiiiro;
-lutas coreografadas;
-estética NADA-A-VER [Que que são essas roupas?? E esses cabelos?? Estamos vendo um mangá, é isso? Pô, até Vagabond -aliás, um dos melhores mangás que já li! ♥- e seu visual punk mas todo-mundo-bem-bonito-vamos-ser-modeléti tem estética mais condizente com a época retratada! ¬¬’]


“Olá. Até eu sou esteticamente mais fiel à História!”

Enfim. Pretendo assistir na minha próxima folga. Apesar dos pesares, parece interessante. E, se tem um fundo histórico, aí me atrai ainda mais. Tomara que seja bom. =)

Anúncios

vergonha da raça

Então, tinha esse idiota, Issei Sagawa. É assim o nome dele em japonês: 佐川一政 [Sagawa Issei – o sobrenome antes do nome].

E esse demente nasceu numa família de posses e foi estudar na França. Em 1981, aos 32 anos, ele deu um tiro no pescoço de sua professora de alemão [por quem ele era obcecado], uma moça de 25 anos chamada Renée Hartevelt. Aí começou a cortar pedacinhos da carne dela e achou parecido com carne crua de atum, macia e sem cheiro. Aí o demente ficou excitado com isso e fez sexo com o parcialmente canibalizado corpo da vítima!!!!! o__O

Aí foi para um parque, jogar o resto do corpo da vítima num lago – e um casal viu. Então ele foi preso, pedaços da carne da moça foram encontrados na geladeira dele e ele foi deportado para o Japão. PORÉM, ele foi LIVRE para casa.

Não foi para a prisão, não foi para nenhuma instituição para desajustados mentais. E, PASMEM!, hoje ele é uma espécie de subcelebridade conhecido por ser CRÍTICO GASTRONÔMICO!!! Sem falar que também já participou de um filme e às vezes aparece na TV.

Heeeiiiinnn?, mas, OI?, como assim, alguém me explica?

Essa é a cara do idiota, antes e agora:

A coitada da vítima:

E eu sei lá que diabos está escrito aqui, mas ó as fotos:






Como assim, tem umas crianças junto dele? Que espécie de IMBECIL transforma um escroto desse em celebridade e deixa umas crianças chegarem perto??

Aqui, mostrando um de seus livros [porque ele também é escritor]

Ó QUE MEIGO, TOMARA QUE ESSE CRETINO SEJA PRESO E VIRE A MENININHA DA PRISÃO!

Achei esse documentário no youtube; PÉSSIMA qualidade, mas enfim… chama-se “Excuse me for living” [não, não te desculpo não >=P]
parte 1, parte 2, parte 3, parte 4, parte 5, parte 6

A música “Too much blood”, dos Rolling Stones, faz referência ao canibal-celebridade.

A friend of mine was this Japanese.
He had a girlfriend in Paris.
He tried to date her in six months and eventually she said yes.
You know, he took her to his apartment, cut off her head.
Put the rest of her body in the refrigerator, ate her piece by piece.
Put her in the refrigerator, put her in the freezer.
And when he ate her and took her bones to the Bois de Boulogne, by chance a taxi driver noticed him burying the bones.
You don’t believe me? Truth is stranger than fiction.
We drive through there every day.

Morri de vergonha da raça agora.
Fontes:
new criminologist, vice magazine, wikipedia

–Bah, acabei de ver isso:

(…) Then, the bombshell.

“I know him. He’s a friend of mine.” In shock I listened as he went on to describe Sagawa’s activities as a restaurant reviewer, actor, author and his annually held barbecue. The two men even wrote a book together about other cannibal killers. “How can you associate with someone who did the things he did?” I had to ask. “What he did was terrible, but he’s a nice guy. He has lots of friends,” was the simple response.

(…)I have no problem with people writing books or making films based on serial killers (…) but if one is into this topic, then one should take in all aspects. Put yourself in the victim’s shoes. Put yourself in the victim’s family’s shoes. [concordo bem com essa última parte]

Sério, uma coisa é você ser um tosquinho feliz que faz umas coisas random, sem machucar ninguém [tipo o Hard Gay, que causava estranhamento, mas era bem bobo], outra coisa é você ser conivente com um babaca como esse… ok, ele pode ser educado, mas eu JAMAIS seria amiga de um demente assim. Às vezes, acho que japoneses acham graça em tudo, em coisas bobas sem graça nenhuma. Até aí, ok. Só que, fala sério, ISSO aí não tem graça NENHUMA e tem que ser muuuuito sem noção [como o idiota com máscara fazendo as poses toscas com o assassino canibal na série de fotos em que aparecem as crianças] para querer transformar ISSO em algo LIGHT e FAMILIAR.

Na boa, mas vá para a puta que te pariu. Porra. o inferno.